De 1769 a 1881 A era do Vapor História do Automóvel

Print Friendly, PDF & Email

Em 1769, a ideia de Ferdinand Verbiest é retomada pelo francês Joseph Cugnot que apresenta no 23 de Outubro o que ele nomeia o seu “fardier a vapor”, um carro propulsado por uma caldeira a vapor. Desenvolvido para o meio militar, este engenho auto-propulsionado é destinado a deslocar canhões pesados. Atinge uma velocidade 2.000 toesas por hora, ou seja cerca de 4 km/h, para uma autonomia média de 15 minutos.

Joseph Cugnot

Nicolas-Joseph Cugnot, monumento em Void (Lorraine) em 1912 (do Meusien Fosse.

O Fardier não tem direção, nem travões, e foi assim que acidentalmente destruiu uma parede durante um teste. Um acidente que demonstra no entanto a força desenvolvido por este veículo de cerca de 7 metros de comprimento, mas assina o fim da sua carreira. O Duque de Choiseul, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, da Guerra e da Marinha Francesa, tornou-se muito interessado no projeto e rigorosamente seguiu esta inovação, a partir da qual um segundo modelo é produzido em 1771. Contudo, ele deixa o seu posto mais cedo um ano que previsto e o seu substituto não desejou dar seguimento ao projeto, de modo que este último foi armazenado no arsenal. O Fardier (o carro de fogo) será redescoberto então por L. – N. Roland, Comissário geral da artilharia Francesa nos anos 1800, mas Napoleão Bonaparte não estava interessado nesta engenhosidade.

Primeiro acidente de automóvel em 1770.

Oliver Evans

A França certamente não foi o único país a desenvolver modelos a vapor. O inventor americano Oliver Evans é fonte de motores a vapor de alta pressão. Expôs em 1797 as suas ideias sobre este último, mas encontra poucos aprovadores e morre antes de ter visto a sua invenção tomar o lugar que ocupará no século XIX.

Richard Trevithick

Richard Trevithick

Em 1801, o inglês Richard Trevithick apresenta primeiro veículo rodoviário britânico, o “London Steam Carriage” equipado com três rodas, e pode transportar 9 passageiros a bordo, impulsionado a vapor e viaja a 16 km nas ruas de Londres. Os problemas fundamentais relacionados com a direção, suspensões e estado das estradas faz com que o automóvel “rodoviário” seja abandonado, deixando lugar aos caminhos de ferro. Richard Trevithick (Camborne, 13 de Abril de 1771 – Dartford, 22 de Abril de 1833) foi um prolífico inventor britânico do início do século XIX, creditado com o motor a vapor de alta pressão e o primeiro comboio rebocado por uma locomotiva. No início da revolução industrial, compreendeu as múltiplas aplicações possíveis dos motores a vapor e as mudanças consideráveis que fariam. Por outro lado, teve pouco sucesso em tirar soluções operacionais viáveis dos seus protótipos e morreu na pobreza.

O veículo a vapor de Richard Trevithick Puffing Devil, 1800.

Engenheiro mineiro, tal como o seu pai, nasceu em Camborne, na região mineira da Cornualha (Grã-Bretanha). O seu vizinho é William Murdoch, o pioneiro dos carros a vapor. As experiências de Trevithick no vapor como meio de propulsão para um veículo rodoviário são uma fonte de inspiração. Participou ativamente nos esforços locais para quebrar o monopólio estabelecido por James Watt e o seu motor a vapor, projetando uma nova geração de máquinas. Entre 1797 e 1799, desenvolveu um motor a vapor de alta pressão removendo o condensador, com um escape na atmosfera, o que aumentou a potência e o tornou mais económico do que o de Watt, mas também o risco de explosão. Estas máquinas tornam-se mais compactas e simples. Portáteis, podem ser instalados em barcos, em quintas para bater trigo, em moinhos ou pequenas fábricas. Após uma série de experiências entre 1801 e 1803, Trevithick tirou uma patente para três veículos a vapor de alta pressão na estrada em Londres, Camborne e Coalbrookdale. Em 1801, o seu primeiro “automóvel a vapor” conhecido como “Diabo Puffing” foi um dos primeiros veículos a mover-se pela sua própria potência e transportar passageiros. Este antepassado do automóvel é apresentado ao público na véspera de Natal, conduzido pelo primo do inventor, Andrew Vivian. Em 1803 introduziu um novo veículo que entusiasmou o público londrino, mas este modo de transporte foi rapidamente abandonado porque se revelou demasiado caro em comparação com o transporte tradicional. Trevithick dirige as suas máquinas rodoviárias rapidamente em direção ao caminho de ferro, dado o seu peso e as condições das estradas.

Progresso no campo dos motores a vapor

O progresso no campo dos motores a vapor encoraja alguns a inclinar-se novamente sobre os veículos de estrada. Na lógica das coisas, é na Inglaterra, um pioneiro na desenvolvimento dos caminhos de ferro, que o automóvel a vapor leva o seu desenvolvimento. No entanto, o decreto de 1839 velocidade limite a 10 km/h para aplicações vapor, bem como “a Lei locomotiv” impunha aos veículos automóveis a serem precedidos por um homem a pé agitando uma bandeira vermelha colocará um termo ao seu desenvolvimento ultra-Mancha. É, portanto, em França que o carro a vapor retoma o seu curso.

Amédée Bollée

Entre as adaptações mais famosas do propulsão a vapor, nota-se o de Amédée Bollée que comercializou em 1873 primeiro o verdadeiro carro a vapor, um veículo chamado “Obediente” capaz de transportar 12 pessoas a uma velocidade de alta tecnologia de 40 km/h. Bollée concebe então, em 1876, um ónibus a vapor no qual as quatro rodas são motorizadas e orientáveis, em seguida, em 1878 um automóvel chamado Mancelle mais leve (2.7 toneladas) que o seu primeiro modelo, que facilmente excede 40 km/h. Exposto em Paris na Exposição Universal, estes dois carros são classificados como material ferroviário. A exposição universal de 1878 em Paris permite ao público e vários industriais descobrem completamente estes novos dispositivos.

Amédée Bollée Sénior, História do Automóvel

As encomendas fluem de todas as partes, da Alemanha particularmente onde um ramo Bollée até vê o dia em 1880. Bollée, em seguida, parte para conquistar o mundo e apresenta os seus modelos de Moscovo a Roma, da Síria à Inglaterra (1880-1881). Um novo modelo é lançado em 1880, chamado “La Nouvelle (a notícia)”, guarnecido com uma caixa de velocidades de duas mudanças e um motor a vapor de 15 cavalos vapor. Amédée Bollée (Sainte-Croix, 11 de Janeiro de 1844) e morreu em 20 de Janeiro de 1917, em Paris, tinha uma fundição de sinos, inventor francês especializado na área automóvel. Considera-se que seja o primeiro fabricante a comercializar automóveis.

A família Bollée em 1879, desta vez a bordo do vapor
A família Bollée em 1879, desta vez a bordo do vapor “La Marie-Anne”.

Amédée Bollée Sénior fabricou o seu primeiro carro em 1873, chamado Obediente. É um veículo a vapor, notável pelo seu silêncio operacional, pela sua manobrabilidade, e já tendo a maioria das soluções mecânicas do automóvel do futuro:

  • quatro rodas,
  • uma direção de dois pivôs,
  • propulsão traseira,
  • uma suspensão com quatro rodas independentes.

Em 1875, a 9 de Outubro, Amédée percorreu os 250 quilómetros entre Le Mans e Paris em 18 horas. Os regulamentos não prevêem a circulação de carros sem cavalos, são elaboradas 75 multas à sua chegada a Paris. A intervenção do prefeito da polícia põe fim a esta desventura.

  • Em 1878, desenhou e comercializou “The Mancelle” com um motor a vapor dianteiro, caixa de velocidades e diferencial. Este veículo é considerado o primeiro automóvel produzido em massa: cerca de cinquenta exemplares foram fabricados e vendidos.
  • Em 1880, aperfeiçoou os seus carros construindo “La Nouvelle”, um dos primeiros tubos interiores.
  • Em 1881, construiu “Le Rapide”. Este automóvel é o primeiro veículo rodoviário capaz de ultrapassar o limiar psicológico de um quilómetro por minuto, atingindo a velocidade de 62 km/h.

Em 1881 O Triciclo Serpollet

O modelo de seis lugares ‘Le Rapide’ que pode chegar aos 63 km/h é exibido. Outros modelos seguirão, mas a propulsão vapor encontra um impasse em relação ao peso/desempenho. Bollée e o seu filho Amédée experimentam efetivamente uma propulsão a álcool, mas é finalmente, o motor a explosão e petróleo que são impostos. Depois da motorização amolecendo, certos engenheiros procuram reduzir o tamanho da caldeira. E é assim na Exposição Universal 1889 em Paris, o primeiro veículo a vapor a meio caminho entre o carro e o triciclo, desenvolvido pela Serpollet-Peugeot. Este progresso notável em particular, é devido a Léon Serpollet que desenvolve a caldeira “a vaporização instantânea. Obtém além disso sobre o veículo da sua própria concepção a primeira carta de condução Francesa. O seu chassi, mas acima de tudo o uso dele naquele momento explica que este triciclo seja geralmente considerado como um automóvel. Mas apesar do conjunto destes protótipos, o automóvel ainda não estava realmente lançado; será necessário para isso que este aguarde a generalização de uma inovação da década de 1860, que irá perturbar o curso da história do automóvel: o motor a explosão.

close
Mantemos os seus dados privados mas não compartilhamos os seus dados com terceiros.
Leia a nossa política de privacidade. A GDPR amigável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.